“Tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem a sua ocasião . . . Tempo de ficar calado e tempo de falar”. (Eclesiastes 3:1,7).
Vivemos em uma sociedade tola, fútil e vaidosa.
Um dos sintomas disso é que as pessoas já não conseguem ficar caladas.
Todos se acham no direito de ter e dar a sua opinião sobre tudo, mesmo quando não solicitada.
A cultura do cancelamento e do ódio nas redes sociais e nas relações mais concretas, tem muito a ver com o fato de que um indomável espírito de crítica, de desconstrução, de apequenamento do semelhante é onipresente.
Também essa é a época da ‘lacração’, isto é, todos querem fechar um assunto, rebater a uma questão posta com uma palavra cabal, desconcertante que lhe dê um ar de “mito”, de sábio.
Você já deve ter ouvido as seguintes expressões: ‘fulano calado é um filósofo’, quando se trata de vida cristã, às vezes, deveríamos dizer, ‘o irmão calado, é um profeta’.
Nossas palavras devem ser caras, úteis, abençoadoras, pacíficas, construtoras de pontes e sempre comunicadoras de graça.
Mas, o nosso silêncio também revela prudência, sabedoria, amor, maturidade e não raras vezes, revelam compaixão.
As palavras têm consequências e são mais que sons, eventos!
Quantos projetos, sonhos, relações, ministérios, reputações não são interrompidos, cancelados, destruídos por conta da palavra mal posta (maldita?).
De fato, Tiago já dissera, ‘a língua é mal incontido…um mundo de maldades’.
Peça a Deus sabedoria para abrir a boca e produzir palavras criadoras de coisas boas, assim como Deus, na criação. E contemple a bondade e a beleza daquilo que surge de palavras benditas.
Aprenda a fazer silêncio. O silêncio pode ser curador, pode desprogramar guerras e evitar dissabores infernais.
Como se diz, ‘a palavra vale prata, mas o silêncio, ouro’ ou ore com o salmista: “Que as palavras da minha boca e a meditação do meu coração sejam agradáveis a ti, Senhor, minha Rocha e meu Resgatador” (Sl 19.14).
Rev. Luiz Fernando Dos Santos.
Oração:
Pai Santo, cuja Palavra é viva e eficaz, ensina-nos a usar bem as nossas humanas palavras para louvar o Senhor e bendizer o nosso irmão. E, onde o silêncio for o mais prudente a fazer e revelar maior amor, ensina-nos a exercita-lo, para que haja paz no tempo da nossa peregrinação.
Assim creio. Assim espero. Amém.
(Oração para um dia de peregrinação – prece da manhã).